Economia digital é sensação numa China com 751 milhões de usuários conectados

Com informações da Agência de Notícias Xinhua

A China vive a era da economia compartilhada e das transações comerciais sem a necessidade de dinheiro em papel. O celular é o elemento principal desta realidade, uma extensão do cérebro – onde se guardam as memórias, se compartilham os registros efêmeros e se resolvem as necessidades mais básicas do cotidiano. E até mesmo aquelas nem tão básicas assim. É tão central no dia-a-dia chinês que não se vê um dono de smartphone que não tenha consigo também um carregador portátil de bateria. Impossível desconectar.

No fim de tarde, a pedida é conhecer o recém aberto China World Mall, shopping cheio de restaurantes e bares com esta vista

No fim de tarde, a pedida é conhecer o recém aberto China World Mall, shopping cheio de restaurantes e bares com esta vista

A febre digital já atinge 751 milhões de pessoas – mais do que toda a população da Europa, segundo dados do  Centro de Rede de Informação da Internet da China (CNNIC, em inglês) divulgados na última sexta-feira. Destes usuários, 724 milhões, ou 96,3%, estão conectados via celular. Daí ser tão aparente o uso.

Ainda que a penetração da internet possa ser modesta, pois atinge 54,3% da população, bem menos do que os 90% registrados nos vizinhos Coreia do Sul e Japão, o uso do celular salta aos olhos. Foi a primeira mudança que percebi ao pisar na capital, há cinco dias.

Morei em Beijing de 2007 a 2013. Jornalista gaúcha, vim ao país para trabalhar na agência de notícias Xinhua. Em 2010, dei início à consultoria em comunicação e informação Radar China. Atuo até hoje na empresa ao lado do meu sócio, Sun Lidong, num trabalho dedicado a estreitar os laços culturais e facilitar a comunicação entre chineses e brasileiros. Até outubro, depois de três anos e nove meses, é a partir da China que escreverei e trabalharei, contando também no Jornal do Comércio um pouco da realidade da segunda maior economia do mundo, cujo crescimento em 2017 deve fechar em torno dos 7%.

A economia digital tem participação robusta neste movimento.  Só no ano passado, cresceu 18,9%, atingindo 22,6 trilhões de yuans (US$ 3,35 trilhões), segundo a Academia de Informação e Tecnologia de Comunicações da China. A expansão foi muito mais rápida que a da economia como um todo, que cresceu 6,7% em 2016. Segundo o governo, o digital representou 30,3% do Produto Interno Bruto (PIB) de 2016. Considerando seus efeitos indiretos, a contribuição chegou a 69,9%, de acordo com projeções oficiais.

O governo chinês entende por economia digital as transações que têm como base tecnologia de computação e que compreende modelos de negócios tais como comércio eletrônico, computação em nuvem e serviços de pagamentos. Até 2030, acredita Beijing, representará metade do PIB do país.

No primeiro semestre deste ano, o setor que mais cresceu foi o de entrega de alimentos – com 274 milhões de usuários, um incremento de 41,4% ante dezembro de 2016.

Mas nas ruas, são dois os serviços mais percebidos: o primeiro é o de pagamento móvel, que já agrega 502 milhões de usuários. Da banca de revista à compra de passagens aéreas para as férias no exterior, tudo é feito via aplicativos. Os dois principais, WeChatWallet e AliPay sequer são de bancos tradicionais, o que aumenta as fronteiras dos serviços financeiros e de que empresas os oferecem. No ano passado, estes serviços, combinados a outros, foram responsáveis pela movimentação de 38 trilhões de yuans (US$ 5,5 trilhões), 50 vezes mais do que os US$ 112 bilhões transacionados em aplicativos semelhantes nos Estados Unidos.

O segundo serviço que salta aos olhos são as bicicletas compartilhadas. Em um modelo em que o ciclista escolhe a bike estacionada nos diversos bicicletários espalhados pela cidade – nas saídas de metrô, entradas de condomínios ou de supermercados, por exemplo – e sem precisar devolver a estações fixas, o serviço é literalmente uma mão na roda. Basta cadastro em um aplicativo e, com um código QR, destravar a bicicleta. Quem quiser entender um pouco melhor, há um vídeo bem informal gravado logo na chegada:

 

Mais de 10 milhões de bicicletas compartilhadas estão nas ruas das cidades chinesas, operadas por mais de 30 empresas. A Mobike e a Ofo respondem por mais de 90% do mercado. De acordo com o Centro de Pesquisa do Comércio Eletrônico da China, o número de usuários no ano passado atingiu 18,86 milhões.

As bicicletas amarelas da ofo são sensação

As bicicletas amarelas da ofo são sensação

Neste emaranhado de números, outro vale destaque. Em 2016, o volume de comércio da economia do compartilhamento – uma parte da economia digital na China – dobrou em relação ao ano anterior para cerca de 3,5 bilhões de yuans (US$ 516 bilhões), segundo o Centro de Informação do Estado.

Beijing já tem 19 linhas de metrô

Beijing já tem 19 linhas de metrô

A China continua, claro, mantendo o pé firme na aceleração da infraestrutura. Quando saí de Beijing, em 2013, eram 17 linhas de metrô. Hoje, são 19 – e algumas das anteriores, ganharam extensões, num sistema que atualmente totaliza 574 quilômetros e transporta, em dias de pico, quase 13 milhões de pessoas ao dia. Em todo o país, são 28 cidades com serviço de metrô. Mas o país se orgulha mesmo é de ter o sistema mais extenso de trens rápidos do mundo, com mais de 60% das ferrovias deste tipo em operação no planeta.

O icônico prédio da CCTV, interligado nas alturas, é circundado por novos arranha-céus, mantendo o ritmo acelerado das construtoras e incorporadoras

O icônico prédio da CCTV, interligado nas alturas, é circundado por novos arranha-céus, mantendo o ritmo acelerado das construtoras e incorporadoras

Todo esse processo é acompanhado de questões que envolvem seguridade social, trabalho, educação, direitos. E é um pouco desta realidade que veremos juntos por aqui nos próximos dois meses. Sem descuidar, claro, das relações com o Brasil e das oportunidades que o país terá. O momento é excelente: de 3 a 5 de setembro, a China recebe a Cúpula dos BRICS, o grupo de países que reúne, além de China e Brasil, Rússia, Índia e África do Sul.

Às vésperas, de 1º a 2 de setembro, Beijing recebe o fórum Brazil+China Challenge, uma iniciativa dos estudantes de graduação e pós-graduação brasileiros no exterior do BRASA Ásia junto à Fundação Getúlio Vargas (FGV) e a Yenching Academy, ligada à Universidade de Peking, a mais importante da China. O encontro vai reunir acadêmicos, políticos e executivos dos dois países, em dois dias de debate sobre desenvolvimento. Tema para debate não faltará por aqui.

Acompanhe-nos.

Pin It

Comments are closed.